segunda-feira, 9 de janeiro de 2012

Comediantes de Israel fazem paródia de Michel Teló com polêmica religiosa


                           

Ana Carolina Moreno, no G1

     Sem saber da repercussão no Brasil do vídeo em que soldados israelenses copiam a coreografia da música “Ai se eu te pego”, do cantor Michel Teló, dois comediantes de Israel se surpreenderam com a velocidade com que uma paródia que fizeram da famosa canção chegou ao país da versão original.
Yohay Sponder, de 29 anos, e Meni Malca, de 32, decidiram unir a popular música com uma polêmica que tem gerado conflitos entre judeus ortodoxos e não-praticantes em Israel. Em dezembro, autoridades receberam queixas de que alguns judeus ortodoxos teriam cuspido e falado de forma “desrespeitosa” com alunas de uma escola primária. Há suspeitas de que radicais religiosos intimidam mulheres que eles considerem “exibidas”.
     O resultado foram mais de 75 mil visualizações em 24 horas do vídeo em que os dois humoristas, vestidos de judeus ortodoxos, rebolam ao lado de duas mulheres vestidas em trajes típicos do carnaval brasileiro. Publicada no YouTube na sexta-feira (6), a paródia já era compartilhada e comentada em perfis do Facebook no Brasil no dia seguinte.
“Como vocês acharam nosso vídeo tão rápido?”, perguntou Sponder em entrevista concedida ao G1 no domingo (8). Segundo ele, no fim de semana o vídeo se tornou um dos mais assistidos na categoria “religião” em Israel, com destaque na página inicial do site.
     O comediante afirmou que a letra foi escrita em dois dias e o vídeo foi gravado em três horas e editado em 15. “Foi uma produção de amigos que custou cerca de US$ 115 [cerca de R$ 210]. Nós optamos por não lucrar com anúncios neste vídeo. Espero que ninguém cobre direitos autorais.” As duas mulheres que dançam a coreografia de Teló vestidas como passistas de escola de samba são uma brasileira amiga da dupla e uma israelense descendente de iemenitas.
     A dupla tem um canal bem sucedido no YouTube há menos de um ano. Seus vídeos recebem sempre mais de 100 mil visualizações e, além de paródias musicais, como uma feita a partir da canção “Empire State of Mind”, dos artistas americanos Jay-Z e Alicia Keys.
Canal da dupla de comediantes israelenses no YouTube (Foto: Reprodução)Canal da dupla de comediantes israelenses no YouTube (Foto: Reprodução)

Como a “Macarena”
Sponder confirmou o reinado de Michel Teló em Israel, que inspirou até o grupo de 11 soldados do exército a gravar sua própria versão coreografada do videoclipe. “É incrível, está em toda a parte, até nas academias as pessoas imitam os passos de dança”, afirmou ele. O comediante, que mantém um canal de paródias no YouTube e faz shows de stand-up no Camel Comedy Club, em Tel Aviv, não entendeu o sucesso no Brasil da reação de israelenses ao hit de Teló. “Fui a Bucareste, na Romênia, e lá também tocam a música em todo canto.”
O humorista credita o êxito de “Ai se eu te pego” à letra facilmente memorizável e compara a canção à “Macarena”, produção espanhola que se espalhou pelo mundo em meados da década de 90.
Pouco conhecedor da música brasileira, Sponder admite que não se lembra de muitos artistas, mas adora a canção “Garota de Ipanema”. Ele se admirou ao descobrir que, um ano atrás, Michel Teló era pouco conhecido dentro do Brasil. “A canção tem uma batida muito boa. Eu gostei dela porque quando fui criar a minha própria letra foi muito fácil trabalhar.”

Ortodoxos X não-praticantes
Segundo Sponder, a ideia de parodiar “Ai se eu te pego” foi de sua namorada. Ele decidiu abordar um episódio polêmico que aconteceu em dezembro na cidade de Beit Shemesh.
Na ocasião, um judeu ultra-ortodoxo ofendeu e cuspiu em uma menina de oito anos, filha de uma imigrante americana, que caminhava rumo à escola. A justificativa do homem era a falta de modéstia com a qual a garota se vestia.
“Nós ficamos muito bravos com isso. Achamos que você não pode falar que uma menina não se veste bem, porque ela é só uma menina. Em uma mulher, você consegue ver seus seios ou suas pernas, mas quando se trata de uma menina de oito anos, então esse tipo de coisa fala algo sobre o homem”, explicou Sponder.
A dupla já havia feito um vídeo sobre o tema antes. Vestidos como judeus ortodoxos, saíram às ruas ensinando de maneira bem humorada como as pessoas deveriam vestir seus bebês e cachorros. A paródia de Michel Teló, porém, tem tido mais repercussão.
Batizada de “Canção da Shiksa”, palavra usada para se referir a mulheres por comportamentos reprováveis do ponto de vista religioso, a nova versão israelense de “Ai se eu te pego” também mostra um homem falando com uma mulher. Mas, segundo explicou Sponder, nesse caso se trata de um homem “saudável” e trabalhador que critica uma “mulher de oito anos” por se comportar como uma “prostituta sem respeito” e “não se envergonhar” por isso.
Ele afirma que a profissão da dupla, como comediantes, é tratar de temas sérios com humor, e assegura que não tem nada contra judeus ultra-ortodoxos. “Nós temos recebido ofensas em nosso canal, de gente nos chamamos de nazistas e dizendo que odiamos eles. Não é isso, nós só fizemos uma paródia sobre algo que achamos errado. É a nossa maneira de lidar com o assunto.”

Nenhum comentário:

Postar um comentário