quinta-feira, 12 de janeiro de 2012

Evangélica diz ter sido obrigada a rezar pelo ‘deus’ de sua chefe católica


Uma evangélica que trabalhou em uma loja de departamento recorreu à Justiça dizendo ter sido vítima de assédio no moral porque, durante o expediente, foi obrigada a rezar pelo “deus” de sua gerente, que é católica.

A devota da Igreja Pentecostal pediu indenização por danos morais porque a gerente feriu “o íntimo” dela ao desrespeitar a sua liberdade religiosa.

A evangélica, que foi contratada em 2004 como auxiliar de escritório e em 2006 promovida à caixa, recorreu à Justiça do Trabalho um ano e sete meses após ter sido demitida.

A loja argumentou, em sua defesa na Justiça, que não houve nenhuma imposição para que a evangélica participasse das orações. Tanto que, acrescentou, que ela nunca reclamou formalmente e “nem sequer tentou obter uma transferência para uma filial”.

A evangélica perdeu a causa na 3ª Vara do Trabalho de Piracicaba (SP) e na 10ª Câmara do TRT (Tribunal Regional do Trabalho).

A Justiça entendeu, conforme a loja alegou, que a evangélica não foi obrigada a participar das orações e que, de acordo com testemunhas, a gerente apenas reunia a sua equipe para pedir a proteção divina.

Com informação do processo 0116400-57.2008.5.15.0137 RO.

Nenhum comentário:

Postar um comentário