quarta-feira, 11 de janeiro de 2012

Ministério Público instaura inquérito contra megatemplo da Igreja Mundial do Poder de Deus


 



O inquérito que vai apurar as responsabilidades da Igreja Mundial do Poder de Deus pelo congestionamento provocado na rodovia Presidente Dutra foi instaurado nesta segunda-feira, 9, pelo Ministério Público de São Paulo.
A inauguração da Cidade Mundial, que aconteceu no dia 1º de janeiro, deixou a região do Aeroporto Internacional de Guarulhos interditada, pois centenas de ônibus que transportavam membros da IMPD estacionaram nas vias próximas ao megatemplo causando lentidão nas rodovias Hélio Schimidt e Ayrton Senna, prejudicando muitos passageiros que acabaram perdendo vôos no aeroporto.
O promotor de Justiça Ricardo Manuel Castro é que instaurou o inquérito civil para apurar se houve deficiência no processo de licenciamento do templo. A IMPD diz que durante a inauguração 2 milhões de pessoas participaram dos cultos, mas a prefeitura e a Polícia Rodoviária Federal (PRF) disseram que o comunicado do ministério dizia que apenas 30 mil pessoas participariam do evento ao longo do dia.
O promotor pediu para que a Prefeitura de Guarulhos lhe encaminhasse uma cópia integral do processo administrativo que resultou no licenciamento da sede da igreja que tem capacidade para receber 150 mil pessoas. Ele também quer o município casse o alvará da obra que foi liberado como provisório, com data de 90 dias, e que assim o templo fique interditado até que os estudos sobre a área sejam concluídos.
Castro também pediu para que o Corpo de Bombeiros faça uma vistoria nas dependências da Cidade Mundial esclarecendo se a Igreja realmente tem condições para receber o alvará de vistoria, caso contrário o prédio terá que se adaptar às condições de segurança das edificações.
Essa não é a primeira vez que o Valdemiro Santiago, fundador do ministério, se depara com uma situação dessas, pois o templo localizado no bairro do Brás já foi interditado diversas vezes pela Prefeitura de São Paulo, apesar das reformas as denúncias de falta de segurança continuaram e o MP resolveu interditar o templo.

Com informações Terra

Um comentário:

  1. Acho bom esse promotor ter alguma razão, porque o Sr Governador do Estado de São Paulo GERALDO ALCKMINN foi na inauguração da cidade mundial e eu não acredito que o Sr Governador iria a uma obra na data de sua inauguração que foi autorizada atraves de alvará a servir ao publico destinado.Esse promotor deveria era mandar PRENDER o Presidente da Companhia do Metropolitano-METRÔ DE SÃO PAULO, JOSÉ JORGE FAGALI e/ou SERGIO AVELLEDA que permite a divulgação no sistema operacional RACISMO que é crime inafiançavel e imprescritivel neste País. coutinhocarlos@ig.com.br

    ResponderExcluir