quinta-feira, 23 de fevereiro de 2012

Sob o efeito de hóstias alucinógenas, idosas têm visões de santos e atacam padre


Sob efeito de hóstia feita com farinha alucinógena fieis tem visões de santos e demônios.
Ao invés de farinha normal, hóstias foram produzidas por engano com uma farinha alucinógena, que teve efeito imediato. E por isso, no último domingo, na igreja do Santo Espírito de Campobasso, na região central da Itália, desencadeou-se o caos: alguns testemunharam visões dos santos, outros abraçaram o crucifixo e duas idosas perseguiram o padre, batendo nele com suas bolsas e gritando: “Você é o demônio”.
Foi apurado que se tratou de um caso de “ergotismo”, uma intoxicação alimentar causada por farinhas de cereais contaminadas por esclerócios que atingem a safra do grão. Os organismos microscópicos contêm uma grande quantidade de fungos, perigosos para a saúde, entre os quais costumam encontrar-se muitos agentes psicotrópicos, parecidos com o ácido lisérgico, ou LSD.
Segundo informações dos agentes de segurança locais, é provável que a farinha utilizada para produzir as hóstias tivesse sido contaminada por estes agentes, capazes de provocar uma reação alucinógena em menos de um minuto.
Don Achille, o padre da Igreja de Campobasso, foi obrigado a se esconder na sacristia à espera da polícia, segundo informado pelo diário local Abruzzo24Ore.
A retirada dos fiéis, a maioria dos quais perigosamente alterados, não foi tranquila, como informou a polícia da cidade, por causa dos ânimos exaltados.
Segundo testemunhas, um oficial teria comentado o fato, comparando a confusão com aquelas ocorridas durante o G8, quando os militantes agarravam-se aos postes para não serem retirados do local.

Ataque
No entanto, a assessoria de imprensa diocesana desmentiu o acontecimento em comunicado à imprensa, horas depois. Segundo a nota, trata-se claramente de um ataque contra a Igreja Católica: ”É preciso respeitar o sagrado por si mesmo, e isto vale também para quem nao acredita”, diz a nota.

Notícias Cristãs com informações do Correio do Brasil

Nenhum comentário:

Postar um comentário