quarta-feira, 7 de março de 2012

Anonymous continua sua “guerra contra a religião” e tira site do Vaticano do ar

 

Depois de atacar sites de igrejas evangélicas nos Estados Unidos, o grupo de hackers conhecido como Anonymous derrubou hoje o site do Vaticano (www.vatican.va).
Eles alegam que era um ataque “contra os escândalos e a doutrina conservadora da Igreja Católica Romana”.
“Hoje, o Anonymous decidiu colocar sob ataque o seu site em resposta à doutrina, à liturgia e aos preceitos absurdos e anacrônicos que sua organização, com o objetivo de lucro, propaga e difunde no mundo”, afirmou o grupo em comunicado.
Um porta-voz do Vaticano afirmou que não podia confirmar que o problema tinha sido provocado pelos hackers, mas seus técnicos trabalhavam para colocá-lo no ar de novo.
Segundo a agência ANSA, o Anonymous deixou uma mensagem no site italiano do grupo acusando a Igreja Católica de “ter negado teorias universais aceitas como válidas ou plausíveis” e de ser “responsável pela escravidão de populações inteiras, usando como pretexto a missão de evangelização”.
O grupo também lembrou dos casos de abusos sexuais cometidos por padres e condenou a posição do Vaticano contra o aborto e contra o uso da camisinha, classificando essas posturas como “retrógradas”.
A mensagem acusava ainda o Vaticano de interferir “diariamente” nos assuntos internos da Itália. “Vocês têm imóveis e atividades comerciais no valor de bilhões de euros, sobre os quais recebem grandes isenções fiscais”, acusam os hackers, criticando também a tolerância do Estado italiano e o Tratado de Latrão (acordo entre Itália e Santa Sé, no qual é reconhecida a soberania total da Igreja no Vaticano).
O Anonymous ressaltou que seu ataque “não é contra os fiéis, mas contra a corrupta Igreja Romana Apostólica”. Dois dias atrás, eles emitiram uma nota oficial em que declaravam uma espécie de “guerra à religião”:
“As religiões são hierarquias autoritárias, destinadas a dominar o seu livre-arbítrio. As religiões são estruturas de controle. Elas mentem… Quando você entra para uma religião, se inscreve em um programa de treinamento estúpido. As religiões não se vendem como tal, mas esta é essencialmente a maneira como elas operam… Nós vemos religião praticamente da mesma maneira como vemos muitos governos. Impõe o medo e ganham muito dinheiro, então um pequeno grupo de pessoas se torna absurdamente rico, enquanto as multidões de fiéis podem comer terra…”
Traduzido e adaptado de New York Times

Nenhum comentário:

Postar um comentário