domingo, 18 de março de 2012

Bancada evangélica se une a ruralistas para derrotar governo

 

Mais uma vez a bancada evangélica está em rota de colisão com o governo da presidente Dilma Rousseff. Nem a indicação de Marcelo Crivella (PRB) para o Ministério da Pesca diminuiu os atritos ideológicos.
Primeiro foi a campanha contra a PL 122 e o chamado “kit gay”, encomendado pelo Ministério da Educação. Este ainda pode ser usado contra o ex-ministro Fernando Haddad, candidato a prefeito de São Paulo pelo PT.
Depois, foram às pesadas criticas aos ministros Eleonora Menicucci (Políticas para Mulheres), que defende a legalização do aborto, e Gilberto Carvalho (Secretaria-Geral), que defendeu uma disputa “ideológica” contra as igrejas evangélicas.
Agora, o centro do confronto é a venda de bebidas alcoólicas nos estádios durante a Copa. Depois de terem uma vitória parcial da Frente Parlamentar Evangélica,  o governo anunciou que vai honrar o acordo firmado com a Fifa em 2007, em que o país se comprometeu a liberar as cervejas durante os jogos.
A estratégia dos deputados evangélicos foi buscar o apoio dos ruralistas para tentar impor derrotas ao governo no Congresso.
As duas bancadas, que reúnem mais de 170 deputados, devem votem unidas nos principais projetos em discussão na Câmara: a Lei Geral da Copa e o Código Florestal.
Por sugestão dos evangélicos, os dois grupos tentarão derrubar o artigo que libera explicitamente a venda de bebidas. Em contrapartida, os evangélicos apoiariam os ruralistas, votando a favor do relatório de Paulo Piau (PMDB-MG) sobre o Código Florestal.
A reforma no texto desagrada o governo por ter suprimido trecho sobre o bloqueio do crédito para quem não aderir a programas de regularização ambiental em cinco anos. A estratégia de unir forças foi costurada por Campos e Eduardo Cunha (PMDB-RJ), que também é evangélico, e apresentado ao líder dos ruralistas, Moreira Mendes (PSD-RO).
Mendes diz que a ideia será discutida por sua bancada na próxima segunda-feira. Por sua vez, o deputado João Campos (PSDB-GO), líder da bancada evangélica no Congresso, declarou: “Vamos nos unir para o bem do país”.
Além desses dois grupos, outros deputados insatisfeitos da base governamental ameaçam votar contra o governo nesses pontos. O Planalto estuda adiar as votações, pois sabe que com a aliança entre as bancadas, a maioria governista não é suficiente para aprovar os projetos com folga.

Nenhum comentário:

Postar um comentário