quarta-feira, 7 de março de 2012

Magno Malta relata encontro com embaixador do Irã, que nega condenação de pastor


O senador Magno Malta (PR-ES) informou, nesta terça-feira (6), ter conversado com o embaixador do Irã no Brasil, Mohamad Ali Ghahezadeh, segundo o qual Yousef Nadarkhani, que teria renegado a fé muçulmana e se convertido ao cristianismo, tornando-se pastor, não foi condenado à morte por enforcamento.
Segundo o diplomata, ele não teria sido preso por apostasia, mas por roubo e prostituição. Além disso, acrescentou que o julgamento ainda não ocorreu e que Yousef não seria reconhecido como pastor e não está preso por ser cristão. ONGs de defesa de direitos humanos e liberdade religiosa têm pressionado pela libertação de Yousef Nadarkhani.
- Saí de lá aliviado. Não vi mentira nos olhos do embaixador. Não está condenado à morte por forca. Ainda há processo em andamento e nós vamos ficar monitorando – declarou o senador, salientando o respeito com o Brasil trata pessoas de todas as confissões de fé, inclusive muçulmanos.
Malta informou ainda que nesta quarta-feira (7) a embaixada do Irã irá divulgar nota na qual reafirmará essas informações. De acordo com o parlamentar, a informação sobre a condenação por forca teria sido uma “inverdade jogada na mídia”.
O senador deu satisfação aos colegas acerca de requerimento aprovado na Comissão de Direitos Humanos e Legislação Participativa (CDH) que havia, inicialmente, convidado o embaixador a comparecer à comissão para falar sobre o assunto. Como isso não aconteceu, o senador foi à embaixada, juntamente com Sérgio Petecão (PMDB-PR) e Lauro Antônio (PR-SE), integrantes da Frente Parlamentar pela Família, além de diversos deputados.
Segundo o senador, Mohamad Ghahezadeh disse que o vice-presidente do Judiciário do Irã, responsável no país pelos assuntos relativos a direitos humanos, está à disposição da CDH para vir ao Brasil ou se, os parlamentares preferirem, visitarem o país em busca de esclarecimentos sobre o caso.

Notícias Cristãs com informações da Agência Senado

Nenhum comentário:

Postar um comentário