sábado, 25 de agosto de 2012

Marisa Lobo critica “opressão sexual” de igrejas e afirma: “Se mulher fosse feita apenas para procriar, Deus não criaria o clitóris”.

Marisa Lobo critica “opressão sexual” de igrejas e afirma: “Se mulher fosse feita apenas para procriar, Deus não criaria o clitóris”. Leia na íntegra
A psicóloga Marisa Lobo, que viaja o país palestrando sobre assuntos ligados ao combate às drogas e à sexualidade, publicou um artigo em sua coluna no Gospel+ sobre o prazer feminino no sexo.
De acordo com Marisa Lobo, ainda há muita ignorância sobre o tema no meio cristão: “Muito tem se falado de sexo na igreja e é bom que a igreja se preocupe com esse assunto, pois muitas mulheres sofrem muito, por não saberem até onde podem ir, se podem, até onde se tem o direito de sentir prazer e etc. Há muitos tabus em cima da sexualidade da mulher que deve ser esclarecido com verdade e clareza a fim proteger a mulher e sua saúde mental”, escreveu.
Marisa rebate o argumento de que a mulher não pode sentir prazer durante a relação sexual: “Se a mulher fosse feita apenas para procriar, Deus não criaria o clitóris feminino que só tem a função de gerar prazer na mulher”, observa.
Em seu texto, a psicóloga relata que há líderes evangélicos que extrapolam os limites de orientação e passam a interferir de modo indireto na vida sexual de casais membros de suas igrejas: “Em minhas andanças pelo Brasil, mulheres oprimidas por pregadores preconceituosos, que nem sequer sabem o que é sentir um orgasmo. Essa ignorância tem que acabar”, pontua.
Marisa Lobo ilustra sua declaração com o relato de um caso considerado por ela como “cúmulo da alienação”.
-Recentemente, em uma de minhas palestras em uma grande Igreja no Brasil, uma mulher me disse que ouviu de um renomado pastor, que Deus apreciava tanto o sexo que envia anjos para observarem o ato. “Misericórdia!”, gritei. Fiquei imaginando a cena, você lá com o maridão e os anjos te olhando. Que coisa mais bizarra, parece voyeurismo. É o cúmulo da alienação e da opressão sexual. Pastores querendo até controlar o que as mulheres fazem e sentem no sexo com seus maridos? Ou foi uma forma subliminar de dizer não traiam seus maridos porque Deus está vendo? E por acaso já não sabemos disso?! – questiona.
Os relatos de Marisa sobre o assunto formam um retrato do que, segundo ela, boa parte das mulheres cristãs entendem como adequado na relação sexual: “Em conversas mais íntimas com essas mulheres em todo Brasil, pude observar que é geral a ideia que para ser cristã, uma mulher de Deus, é necessário ceder ao marido apenas como obrigação. Eu ensino que ‘ceder’ ao marido é uma ótima brincadeira e vai te deixar muito mais feliz se entender o que realmente Deus quis dizer com isso, eu digo sempre que Deus quis dizer ‘se deleite minha filha, é direito seu!’, afirma a psicóloga.
-O sexo com prazer é um dom que Deus dá às pessoas casadas para o prazer de ambos e não como dizia a era Agostiniana: “um mal necessário, somente para procriação” – contextualiza.
Marisa Lobo frisa ainda que “a mulher cristã, deve relaxar tendo em mente que Deus quer sua felicidade e pensou muito em seu prazer, por isso temos um clitóris e curiosidade. Podemos atingir orgasmos múltiplos e quantas vezes quisermos, já o homem sabemos ser mais difícil”, ressalta.
Leia a íntegra do artigo “Prazer Feminino”, de Marisa Lobo, em sua coluna, seguindo este link.
Redação Gospel+

Nenhum comentário:

Postar um comentário