quinta-feira, 22 de novembro de 2012

Globo quer aplacar “ira santa” ao se aproximar de evangélicos


A personagem Soninha Catatau/Dolores, de Paula Burlamaqui, em "Avenida Brasil"
A personagem Soninha Catatau/Dolores, de Paula Burlamaqui, em “Avenida Brasil”
Tony Goes, no F5
Imagine a maior emissora de TV do Brasil promovendo um festival de cânticos budistas. Ou um concurso entre “muezzins” islâmicos, chamando os fiéis à prece. Ou até mesmo um especial com os padres cantores, que usam a música pop para exaltar a fé católica.
Ela seria imediatamente acusada de fazer proselitismo em favor de uma única vertente religiosa, em detrimento de todas as outras. Quem acusaria? Muito provavelmente, aqueles setores evangélicos que veem inimigos por toda parte.
Mas é justamente para aplacar a ira santa desses setores que a Globo transmitirá em dezembro mais uma edição do festival “Promessas”, de música gospel. Além disso, como informou Keila Jimenez, a cúpula da emissora tem se reunido com lideranças evangélicas, para estreitar os laços com uma comunidade que não para de crescer no Brasil.
Não é novidade que muitos pastores atacam a Globo de seus púlpitos. Dizem que ela prega a dissolução dos costumes, ao mesmo tempo em que funciona como uma ponta-de-lança disfarçada da Igreja Católica. A recente ameaça de boicote à novela “Salve Jorge” reuniu todos esses ingredientes.
Claro que por trás disto também estão interesses comerciais. A Igreja Universal do Reino de Deus, controladora da Record, não perde uma oportunidade para pintar a Globo como uma das sucursais do inferno na Terra. Ao mesmo tempo, tenta levar para seu braço televisivo vários dos autores, atores e diretores responsáveis pelos programas pecaminosos da rival.
A Globo acusou o golpe, e resolveu contra-atacar. Já há alguns anos tenta se aproximar dos evangélicos. Recheou o elenco de sua gravadora Som Livre com astros do “gospel” (o que também faz sentido comercial, já que estão entre os poucos que ainda costumam vender muito bem).
Também maneirou ao retratar os fiéis das igrejas neopentecostais em suas obras de ficção. Vão longe os tempos da minissérie “Decadência”, de Dias Gomes, exibida em 1995, que mostrava o fundador de uma igreja claramente baseada na IURD como um tremendo charlatão.
Hoje, se aparece um personagem evangélico numa das novelas da casa, ele é até tratado com respeito – como a Dolores (Paula Burlamaqui) de “Avenida Brasil”, que escapou da caricatura fácil até se reconverter à vida mundana como Soninha Catatau. Ainda assim, para evitar polêmicas, a denominação à que ela se filiava tinha o nome fictício (e algo absurdo) de Igreja Esotérica do Sol Asteca.
Agora há contatos oficiais entre a Globo e a Confederação dos Conselhos de Pastores Evangélicos de Pastores do Brasil. Na pauta, segundo Keila Jimenez, está a “aproximação da emissora com o pensamento evangélico”.
O que isto quer dizer? Que vai diminuir o número de personagens homossexuais nas novelas? Que as periguetes vão trocar os shorts minúsculos por mangas compridas e saias até o chão? Ou é só diplomacia?
Vai ser interessante acompanhar a evolução dos acontecimentos, pois mesmo entre os evangélicos não há um pensamento unificado. São muitas as correntes.
Também quero ver a reação do resto da sociedade, que já mostra sinais de desconforto com a intromissão do conservadorismo religioso na vida comum – haja visto o resultado da eleições em São Paulo. Vem uma briga boa por aí.
foto: Reprodução/TV Globo

Nenhum comentário:

Postar um comentário