domingo, 13 de janeiro de 2013

Mulheres cristãs devem usar véu para evitar estupro, diz pregador egípcio


 Um pregador salafista radical, que é um defensor da polícia anti-vice recentemente chocou os egípcios quando ele apareceu na televisão no horário nobre para exortar as mulheres a usarem o véu para evitar que sejam estupradas.

  • muçulmanos
    (Foto: Reuters)
    Mulher muçulmana cobre o seu rosto de acordo com a lei islâmica.

El-Ashry, um líder salafista e fundador da Promoção da Virtude e Prevenção do Autoridade Vice, também sugeriu no programa de televisão que o
 Egito implemente "polícia anti-vice", significando que autoridades percorram as ruas para se assegurar que os civis estejam seguindo a lei islâmica.Os comentários do pregador foram desde então refutadas pelo chefe islâmico legal do país, que os considerou como "idiota".
"Uma vez alguém me perguntou: Se eu chegar ao poder, deixaria eu que as mulheres cristãs permaneçam sem véu? E eu disse: se elas querem ser estupradas nas ruas, então elas podem," disse o pregador Hisham el-Ashry, que é declaradamente considerado extremo, em um programa de horário nobre na TV Nahar na semana passada, de acordo com a Reuters.
O pregador disse que a introdução de polícia anti-vice "não era uma coisa ruim", acrescentando: "Para o Egito se tornar plenamente islâmico, o álcool deve ser proibido e todas as mulheres devem andar cobertas".
Como aponta a Reuters, embora os comentários El-Ashry pareçam alarmantes, muitos egípcios reconhecem que o pregador é extremo e não o levam a sério.
Ainda assim, os comentários de El-Ashry impulsionaram o Grand Mufti Ali Gomaa do Egito, consultor sênior da lei islâmica, a condenar os comentários do pregador.
"Este tipo de pensamento idiota é aquele que procura desestabilizar ainda mais o que já é uma situação tensa", Gomaa disse a Reuters em um artigo separado.
"Eruditos religiosos do Egito há muito tempo orientaram a população a agir de formas que estejam em conformidade com seus compromissos religiosos, mas nunca pensaram que isto exigisse qualquer tipo de policiamento invasivo", Gomaa acrescentou.
As tensões entre coptas e muçulmanos no Egito estão em alta, à medida que uma Constituição recém-aprovada, criada por uma maioria muçulmana, supostamente fornece muito poder aos legisladores islâmicos e sufoca as liberdades civis.
Enquanto os relatórios diferentes indicam que os coptas estão fugindo do Egito, com medo de seu governo opressor muçulmano, líderes religiosos estão incitando os coptas a não temerem as mudanças que o país pode sofrer.
"Não tenham medo", disse o Papa do país, Tawadros II, aos presentes em uma missa da meia-noite de Natal em 6 de janeiro.
"Mesmo que os seres humanos sintam muito medo, lembre-se que Deus cuidará de você. Esta é uma mensagem coletiva porque o medo é contagioso [...] Esta é uma mensagem de tranquilidade", Tawadros II acrescentou.
Enquanto muitos dão atenção a mensagem de Tawadros, outros indicam que eles temem pelo futuro do Egito, conforme a sua pátria parece estar oscilando de um estado moderado para um estritamente islâmico.
"Nós, cristãos, não temos medo", Nasser Abu Ghaly, um professor em Shubra, um misto entre cristão e muçulmano do bairro de classe operária, no Cairo, disse à Agência de Notícias Assíria Internacional.
"Mas estamos preocupados com nossas crianças e famílias. Em qualquer caso, como coptas e egípcios temos direito de orar ao nosso Deus", Ghaly acrescentou.

Nenhum comentário:

Postar um comentário