quarta-feira, 5 de junho de 2013

Pronto para as pedradas?


Por Hermes C. Fernandes

“Mandaram as irmãs de Lázaro dizer a Jesus: Senhor, aquele a quem amas está enfermo” (Jo.11:3).

O recado enviado por Marta e Maria a Jesus, era carregado de cobrança. Foi como uma chantagem emocional, para que Jesus Se apressasse a visitar a Lázaro. De fato, Jesus o amava, como também amava suas irmãs, “porém, quando ouviu que Lázaro adoecera, ficou ainda dois dias no lugar onde estava” (v.6).

Fico imaginando o que deve ter passado na cabeça de Seus discípulos. Que amor é esse? Por que Jesus não aperta os passos, interrompe todos os Seus compromissos, e vai logo visitar aquele a quem Ele diz amar?

Depois de dois dias, para a surpresa dos discípulos, Jesus disse: “Voltemos para a Judéia” (v.7). O que? Voltar ao ponto de partida, quando há alguém precisando de Sua visita com urgência? Os discípulos ainda tentaram argumentar com Jesus, para dissuadi-lO de retornar à Judéia: “Rabi, ainda agora os judeus procuravam apedrejar-te, e voltas para lá?” (v.8). Parecia ser um argumento bem razoável. Aquele povo O odiava, incitado pelos seus líderes. Mesmo assim, Jesus não estava disposto a alterar Sua agenda.

Jesus não estava preocupado com as pedras que queriam atirar n'Ele, mas com uma pedra que precisava ser tirada deles para que Sua glória se manifestasse.

Ele sabia exatamente o que estava fazendo. Ele jamais daria tiro no escuro. Daí Sua incisiva resposta: “Não há doze horas no dia? Se alguém andar de dia, não tropeça, pois vê a luz deste mundo. É quando anda de noite que tropeça, pois não tem luz”(v.9-10). Em outras palavras: “Fiquem tranqüilos, sei o que estou fazendo! Estou apenas seguindo a orientação do meu Pai”.

Jesus nunca Se preocupou em ficar bem na fita, ou ser politicamente correto. Algumas de Suas atitudes foram extremamente impopulares. Porém, Ele seguia à risca as determinações do Pai, e jamais Se atreveu a alterar o cronograma por Ele determinado desde antes da fundação do mundo.

Embora tivesse que passar pela Judéia (onde Sua popularidade estava em baixa, e corria o risco de ser apedrejado), o objetivo último de Jesus era alcançar Betânia, onde Seu amigo Lázaro já estava morto.

Antes de partir, Jesus informou-os: “Nosso amigo Lázaro dorme, mas vou despertá-lo” (v.11). Os discípulos acharam que Jesus estava falando de um sono literal. Não era sempre que Jesus Se fazia entender. “Então Jesus disse claramente: Lázaro está morto, e me alegro...” . Respira fundo... leia de novo... foi isso mesmo que Jesus disse? Lázaro, aquele a quem Ele tanto amava, havia morrido, e Ele estava alegre? Como assim?

Esse é o problema de se pinçar algo de seu contexto imediato. Antes de tirarmos conclusões precipitadas, que tal deixarmos que Jesus conclua Seu pensamento?

“Então Jesus disse claramente: Lázaro está morto, e me alegro, por vossa causa, de que lá não estivesse, para que possais crer. Mas vamos ter com ele” (vv.14-15).

Jesus não disse que estava alegre porque Lázaro havia morrido. Ele estava alegre por haver poupado Seus discípulos, atrasando propositadamente Sua caminhada. Jesus sabia que Seus discípulos não tinham estrutura espiritual pra assistir às certas cenas. Vê-lo morrer poderia inibir sua fé e confiança em Deus.

Foi por amor a Seus discípulos, que Jesus retardou Sua viagem a Betânia. Portanto, ninguém poderia acusá-lO de falta de amor.

Devemos tomar redobrado cuidado com aqueles que pinçam palavras fora de seu contexto, e a distorcem a seu bel-prazer, para servir a seus propósitos e interesses. Uma palavra pode ter seu sentido inteiramente alterado, bastando que se mude o tom de voz, ou ainda, a expressão corporal e facial.

Também devemos aprender com Jesus a poupar as pessoas daquilo para o qual não estão ainda preparadas. Isso é agir com responsabilidade. Certa feita, Jesus disse a Seus discípulos que ainda tinha muito que lhes dizer, porém eles não estavam preparados (Jo.16:12).

Às vezes me pergunto quais teriam sido os critérios usados por Jesus na seleção de Seus discípulos. Pedro, aquele em quem mais Jesus parecia confiar, O negou três vezes. Judas, o que cuidava da tesouraria do ministério de Jesus, O traiu por trinta moedas de prata, e ainda teve o descabimento de justificar-se, dizendo que sua esperança era que, ao ser preso e condenado pelos romanos, Jesus Se revelasse ao mundo com todo o Seu poder e glória, e assim, libertasse os judeus do domínio romano. Em outras palavras, a traição visaria o próprio bem de Jesus. Quanta cara de pau! E como se não bastasse esses dois, ainda havia Tomé, o incrédulo. Neste episódio, Tomé foi responsável por um comentário infeliz na frente de seus colegas:“Vamos nós também para morrer com ele” (v.16). Pelo jeito, perdeu uma grande chance de ficar calado.

Infelizmente, ainda nos deparamos com gente incrédula no seio do povo de Deus, e que não consegue enxergar os propósitos de Deus em nada que acontece. Gente que só está preocupada em se preservar, salvar sua pele.
“Quando Jesus chegou, já fazia quatro dias que Lázaro havia sido enterrado. Betânia distava cerca de quinze estádios de Jerusalém, e muitos judeus tinham vindo visitar Marta e Maria, para consolá-las acerca de seu irmão” (vv.17-19).
Os mesmos judeus que estavam buscando uma oportunidade de apedrejar a Jesus, agora demonstravam compaixão pela situação de Marta e Maria. Eles se colocaram ao lado das irmãs de Lázaro, mas estavam armados contra o Filho de Deus. E o pior é que tudo indica que tenham conseguido o que, de fato, queriam: jogá-las contra Jesus.

“Ouvindo Marta que Jesus vinha, saiu-lhe ao encontro. Maria, porém, ficou em casa”(v.20).

Pelo jeito, Maria não queria ver Jesus. Ela estava engasgada com aquela situação. Os judeus a convenceram de que Jesus não vivia o que pregava, pelo fato de não ter visitado Lázaro enquanto ainda estava enfermo. Mas Marta resolveu sair ao encontro de Jesus, e tirar aquilo a limpo.

“Disse Marta a Jesus: Senhor, se tu estivesses aqui, meu irmão não teria morrido”(v.21).

Aquilo foi uma acusação. Fica claro que ela estava sob a influência dos líderes judeus, agitadores, que foram ali com o pretexto de consolá-las, mas no fundo, queriam mesmo era lançá-las contra o Mestre, e assim, destruir o ministério de Jesus.

Porém, enquanto O acusava, Marta caiu em si, e lembrou-se de tudo o que havia presenciado no ministério de Jesus, dos Seus ensinamentos, de Seu exemplo de vida, e, imediatamente, recobrou o ânimo, e complementou: “Mas ainda agora sei que tudo o que pedirdes a Deus, ele te concederá” (v.22).

Pelo jeito, o estrago feito pelos judeus não havia sido completo. Ainda havia uma fagulha de fé no coração de Marta. Jesus, então, resolveu alimentar essa fagulha, dizendo: “Teu irmão ressurgirá” (v.23). Marta ainda tentava encontrar um sentido para tudo aquilo, e por isso, respondeu: “Eu sei que ressurgirá na ressurreição, no último dia” (v.24). De quem Marta havia ouvido aquilo? De quem ela aprendera sobre aquela verdade? Dos judeus agitadores, ou de Jesus que era acusado de negligência? No entanto, Jesus ainda tinha muito que ensiná-la. Seu discipulado não havia terminado. Agora era hora de uma nova lição.

Continua amanhã.

Fonte:  
http://www.hermesfernandes.com/2009/11/pronto-para-as-pedradas.html

Nenhum comentário:

Postar um comentário